Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

INFP

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

20
Mai20

Zona de Conforto

Há 3 anos por esta altura tinha decidido voltar para Portugal. Tirar tempo para estudar e mais tarde voltar a sair para mais um novo recomeço. Embora estivesse decidida a dedicar-me a 100% aos estudos, acabei por encontrar emprego (de temporário a quase efetivo) e a minha vida encarrilou por alguns meses. A minha carteira de conhecimentos resume-se a uma mão cheia mas a minha vida social até estava minimamente ativa.

Há pouco mais de um ano, as coisas começaram a mudar e num mês dei por mim numa nova espiral negativa. Senti-me completamente abandonada, para trás, esquecida. Depois de um cocktail medicinal, decidi sair um bocadinho da minha zona de conforto.

Sempre fui uma pessoa física, nunca fugi a exercício (se o fiz foi mesmo por falta de motivação e não por não gostar) mas sempre me faltou companhia para fazer mais atividades além de caminhar. Inscrevi-me num mini curso de escalada. 4 dias a trepar paredes artificiais e rochosas e adorei. Apesar de ser um grupo pequeno tive pena de não conseguir treinar mais. Ao terceiro dia comecei a acusar cansaço e fiquei doente. Ao quarto dia não consegui fazer nada. Em pleno março, as mudanças de temperatura e estados de tempo ao longo do dia são cansativos e obrigam a tirar e a pôr camadas de roupa vezes sem conta. Apanhámos sol e calor e uma tempestade de vento e trovoada ao final da tarde.

Foi uma experiência refrescante que precisava na altura e felizmente soube aproveitar.

Gostei tanto que em novembro voltei à aventura. Desta feita um fim de semana prolongado na Andaluzia a fazer vias ferratas. Um género de escalada em rocha feita através de estruturas férreas, escadas, cabos, pontes e ... impõe respeito! Muito respeito. O tempo voltou a trair-nos e alguns planos foram cancelados. Conseguimos, ainda assim, terminar 4 ferratas e não dá mesmo para esconder o sentimento de triunfo no final do percurso. É impossível ignorar o esforço conjunto do grupo e a confiança que se desenvolve durante a escalada. Ali todos triunfamos com apoio mútuo. O grupo passou por alguns momentos de tensão mas tudo se resolveu.

Ao que parece, não me calo quando estou cheia de medo nervosa. 

 

3 comentários

Comentar post