Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Introvertida

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

04
Jun21

Um Ano Ocupado

Sabem aqueles últimos momentos de vigília, em relaxamento total antes de, finalmente, adormecermos? Não sei se acontece só comigo mas a minha mente está num estado do tipo "sonhar acordada". Passam-me imensas coisas pela cabeça, umas reais, outras nem tanto. Tenho boas ideias das quais, infelizmente, me esqueço e com as quais nada posso fazer. Até porque não se aplica aqui a regra do levantar-me para anotar... Estar quase a adormecer para mim é "ouro". Numa destas noites revisitei o meu último ano e não pude deixar de me sentir um quanto orgulhosa.

Assim que, em Março de 2020, vim para casa, terminei a tela para pintar por números que já estava começada, comprei mais duas mas só iniciei uma que ainda não está terminada. A outra requer muita dedicação e coragem por causa dos detalhes.

Dei-me ao luxo de aproveitar os meses de verão para férias a sério e dediquei-me apenas à leitura, às telas e a colorir aqueles livrinhos anti-stress (que eu comprei para me distrair nos voos). Fui até ao Luso. Inscrevi-me nuns cursos gratuitos no site edX que fui deixando para trás por falta de interesse. Estive quase para me inscrever na faculdade em horário pós laboral e trabalhar em part-time mas percebi que era demasiado tarde para o curso que tinha em mente (Contabilidade) tendo em conta que não tenho matemática há 20 anos. Seria preciso, pelo menos, um ano para voltar a perceber as bases e não me queria colocar muito mais pressão por causa e durante os estudos antes de me sentir bem e ter um melhor controlo sobre mim.

Entretanto fiquei desempregada em junho e cheguei a fazer testes para entrar num curso de programação. O programa era uma parceria entre o IEFP, algumas faculdades e empresas. Um género de bolsa de estudo para estimular a procura de emprego nas áreas das TI dando uma oportunidade a desempregados com 12.º ano. Fiz testes de admissão, daqueles de "lógica" mas não passei, infelizmente.

E já não sei como cheguei à ideia de estudar Segurança no Trabalho. Mas assim foi. Vi uma promoção e inscrevi-me numa escola com boas referências, com aulas online. Na minha ingenuidade, pensei mesmo que conseguisse um trabalho por volta de setembro ou outubro e, por essa razão, fiz o curso em horário pós laboral. Silly me!  Estive apeada com o curso até Fevereiro deste ano, sem conseguir um emprego. Terminei a teoria mas nunca cheguei à prática porque me desencantei com a área. Adorei o curso e é matéria que ficará para sempre comigo.

Em novembro iniciei a minha jornada na "tecelagem" de mandalas (que já por aqui expus os mais belos exemplos). Esta prática tem sido uma aliada enorme (provavelmente a mais significante) na minha estabilização de humor. Pela mesma altura comprei três cursos na Domestika. Estes estão parados porque requerem mais matéria-prima e mais cara mas a minha mente está sempre a criar e mal posso esperar por colocar mãos à obra.

Em fevereiro iniciei o meu curso de Filosofia que está quase a chegar ao fim e, em meados do mesmo mês, fui contactada para voltar a fazer testes de lógica para o curso de programação. Passei, comecei o curso em Abril e não consegui acompanhar. Ia tendo um colapso nervoso quando telefonei (a gastrite acompanhou) a desistir mas sabia que não valia a pena insistir. Senti que tinha voltado à estaca zero e voltei à procura de emprego.

Tenho-me questionado imenso sobre que rumo quero que a minha vida tome. Como me quero sentir a longo prazo e não o que me vejo fazer ou ter. Questiono cada vez mais qual a importância de um curso superior quando os salários estão cada vez mais baixos (excetuando os cursos "clássicos" como medicina, advocacia, engenharias e afins para as quais sei que não tenho vocação). Mais que isso, quão importante é mesmo ter um curso superior destes ou qualquer outro? Que faz de mim, como me enriquece? Além do título e prestígio social que só alimenta uma ideia de um falso eu. Cheguei à conclusão que prefiro um trabalho seguro que me permita a ordem que a minha cabeça precisa, sentir-me útil e treinar a mente e o corpo a encontrar prazer no que farei. Contudo, no meu outro ombro sussurra-me ao ouvido o ascendente em Capricórnio que há em mim. A parte em mim que é ambiciosa e não admite estagnação profissional.

Neste momento estou a fazer mais um cursinho gratuito de UX Design no site Coursera, uma parceria entre IEFP e Google (espero ter paciência para o terminar) que disponibilizou 3000 cursos com direito a diploma final (e, que todos sabemos, não levará a lado nenhum...). Estou extremamente entusiasmada e ansiosa por fazer um curso de 3 dias em Inteligência Emocional este mês e, se continuar desempregada até à segunda metade de Junho, já tenho mais planos .

Tendo em conta o meu estado mental e os altos e baixos que vivi neste último ano, acho que estive muito bem.

daqui

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Setembro do Auto Cuidado

A Ler

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D