Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INFP

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

25
Jan21

Jardinagem - Parte 2

Passado dois meses de ter plantado os meus bolbos de tulipas, estão assim. Tenho para mim que não deviam estar tão "fora da terra". O vaso não tem a profundidade que deveria mas ainda assim experimentei. Coloquei-as a profundidades diferentes para terem um efeito mais interessante quando abrir a flor.

Estava um pouco apreensiva por causa das 2 semanas em que choveu torrencialmente mas acho que por o vaso estar na rua, vai correr bem e vou ter umas tulipas lindas na primavera.

IMG_20210124_141858 (1).jpg

27
Nov20

Magia

Há cinco anos comprei-me uma máquina fotográfica. Acontece que não sou grande fotógrafa e de há dois anos para cá deixei de fotografar cada detalhe que achava que valia a pena. As minhas viagens ficaram mais leves e passei a confiar mais na minha memória. O tempo voa e faz agora dois anos que fiz a minha viagem ao Irão.

My Brilliant Image

I wish I could show you

When you are lonely or in the darkness

The Astonishing Light

Of your own Being!

   Hafez                                         

A magia dos momentos está mesmo na forma como os queremos lembrar.

persepolis.jpg

Pôr-do-sol sobre Persépolis

16
Jun20

Fórum Online Saúde Mental

Como já devo ter mencionado por aqui, cresci sem amigos e, por essa razão, nunca tive em quem confidenciar as minhas tormentas enquanto adolescente e jovem adulta. Habituei-me ao vazio de não ter ninguém a quem recorrer a qualquer hora do dia quando quisesse desabafar.

Eu sou uma pensadora compulsiva. Sempre fui. Mas as minhas inquitações não são mundanas nem algo que qualquer pessoa esteja disposta a escutar. Nunca tive namorados para trocar notas com as amigas nem nunca fui de sair à noite para gabar as bebedeiras. A maior questão com a qual sempre me debati tem a ver com a razão da minha existência e não conseguir compreender o que ando aqui a fazer.

Quando a minha depressão começou a notar-se senti uma solidão e vazio profundos. Refugiar-me em mim isolou-me ainda mais e agravou a minha saúde. Os 5 anos que estive fora de Portugal foram um verdadeiro inferno. Queria que fosse um recomeçar da minha vida mas teve o efeito oposto.

Fiz parte de dois grupos presenciais de terapia e ajudou-me imenso, principalmente por saber que havia mais gente como eu, com os mesmos tormentos ainda que por razões totalmente diferentes. Eram grupos ligados ao sistema nacional de saúde onde dois mediadores nos ensinavam a aplicar técnicas de terapia cognitivo-comportamental. Havendo uma lista de espera enorme para estes grupos, cada um funciona por um máximo de 10 a 12 semanas com auto avaliações semanais. Dependendo da gravidade revelada por essa avaliação (partindo do princípio que respondemos com verdade) podemos ter um acompanhamento pós grupo. Eu fazia parte deste tipo de pessoa mas, tão tipicamente da depressão, ignorava todos os contactos feitos pelos mediadores.

De qualquer forma, tentei procurar grupos de ajuda mais informal e focados numa partilha de experiências com pessoas que se entendem e não julgam, tanto on como offline. É, obviamente, mais fácil encontrar fóruns online onde as pessoas se sentem à vontade para desabafar de forma anónima mas não encontrei essa opção em Portugal.

Tendo em conta os números preocupantes sobre a saúde mental em Portugal, tomei a liberdade de criar este fórum. É bastante simples, diria até que ainda está numa fase de testes para ver como funciona. Sei que não temos uma sociedade que aceita, não quer e não sabe falar destes assuntos abertamente, continuo a achar que é importante haver uma comunidade de partilha e desabafos. Sei, por experiência, que ajuda imenso saber que não estamos sós.

LogoMakr_5z7XX5.png

13
Jun20

À Noite no Deserto

Se ainda havia, àquela hora da manhã, vestígios de sono nas nossas caras, desapareceram naquele instante.

"Kashaaaaan, Kashan, Kashaaaaaan" gritava, nos últimos minutos, o condutor do autocarro em direção a Kashan. Rimos, por entre olhares, desta forma tão rústica da última chamada ao embarque.

Já tínhamos acordado tarde e achámos que não íamos aproveitar o dia como queríamos, mas arriscámos. Como estava a ser hábito nas viagens de autocarro, adormeci entre Esfahan e Kashan. Quando chegámos tínhamos, como que por magia, um novo amigo que nos ofereceu boleia para o centro histórico da cidade.

Esperámos pela esposa que o vinha buscar. Não só nos levaram ao centro histórico da cidade como nos deixaram à frente de uma loja de recordações cujo dono se gabava do livro de que era coautor e insistiu que lhe devíamos comprar um excursão. Apresentou-nos as opções e, apesar de não sermos adeptos deste tipo de viagem, acordamos em, pelo menos, almoçar sobre o assunto. Após alguma indecisão mas pesando os prós de todos os tours, arriscámos naquele que parecia o mais radical e, por isso, o que mais valia a pena.

Com a roupinha que tínhamos no corpo e completamente desprevenidos, escolhemos uma excursão de 24 horas com pernoita num caravanserai. A experiência foi bastante anormal para os nossos standards ocidentais mas nunca deixei de me sentir segura mesmo sem perceber, a dada altura, onde estava! Depois de alguns problemas de comunicação e de me rir como há muito tempo não me ria e de um jantar iraniano feito na brasa, sem acesso àquilo que normalmente nos mantém acordados em nossas casas (Internet, televisão e afins), voltámos ao nosso "quarto" para nos pormos mais à vontade. Uma câmara com acesso por uma escadinha com 4 degraus. Sapatos à porta. Lá dentro, a cama feita por 3 ou 4 cobertores no chão e 2 ou 3 para nos taparmos. Para alguns seria o fim do mundo, para mim, apenas um teto sob o qual dormir. Há câmaras que podem albergar até 10 e 12 pessoas. Nesta noite, todos os quartos estavam ocupados.

Por volta das 22h00, ouvimos cantares e gritos de alegria. Dezenas de pessoas dançavam à volta de uma fogueira enorme, música que ecoava pelo deserto fora através das colunas. O dia e hora eram sabidos. Juntavam-se cada vez mais pessoas, apenas de passagem. O regime fica esquecido, os lenços caem e vive-se como se quer viver. Fotografias e vídeos proibidos. No Irão as festas são ilegais mas existem, e esta durou algumas horas. Talvez até a fogueira apagar.

Mais sobre mim

Fórum Saúde Mental Portugal

A Ler

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D