Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Introvertida

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

27
Dez21

A Força

27 Dezembro - 2 Janeiro

Uma mulher acaricia, suavemente, a testa e o queixo de um leão. Mesmo sendo conhecido pela sua ferocidade, a mulher domesticou o animal com a sua energia amorosa e calmante. O leão é um símbolo de paixões e desejos crus e, ao domesticá-lo, a mulher mostra que o instinto animal e a paixão crua podem ser expressos de maneiras positivas quando a força interior e a resiliência são aplicadas. Não usa força ou coerção mas canaliza a sua força interior para subjugar e controlar o leão. A mulher veste um manto branco, mostrando a sua pureza de espírito, e um cinto e uma coroa de flores que representam a mais plena e bela expressão da natureza. Sobre aa sua cabeça está o símbolo do infinito, representando o seu potencial e sabedoria infinitos.

Esta carta representa força, determinação e poder tal como a Carruagem. No entanto, enquanto a Carruagem significa força e vontade externas, a Força fala sobre a força interior e a habilidade, vontade e determinação do espírito humano em superar obstáculos. Força é saber do poder de suportar os obstáculos da vida. É resistência e persistência, equilibradas com paciência e calma interior. Comprometimento com o que é necessário fazer que se demonstra numa compostura de maturidade. Qualidades que não são exteriorizadas e passam despercebidas pelos outros.

A Força encoraja-nos a domar os seus instintos animais, reações viscerais e emoções cruas e a canalizá-las de uma forma construtiva.

Com o apoio de Biddy Tarot

22
Dez21

Um Shot de Imunidade

o famoso leite dourado

Desde Abril, sensivelmente, quando fiz um tratamento ayurvédico que tomei conhecimento desta bebida. Aliás!... Já conhecia mas nunca me tinha dado ao trabalho de a fazer. Enquanto estive desempregada consegui que fizesse parte do meu dia a dia em jejum mas, como leva algum tempo a preparar, após recomeçar o quotidiano profissional passei o ritual para os dias de fim de semana.

- 200 a 250 ml de leite ou uma qualquer bebida vegetal à escolha

- 1 colher chá rasa de curcuma em pó

- pimenta moída a gosto

- um pau de canela (se for muito grande, costumo usar metade)

- gengibre fresco ralado a gosto

Fervo tudo, coo e adoço com um pouco de mel. É um sabor um pouco agressivo para quem não está habituado a tanto picante mas é de fácil costume e há margem para alterar as quantidades de acordo com o gosto pessoal. Há variações da receita mas creio que esta seja a fórmula base. Já existem à venda pós, pozinhos e poções preparados mas prefiro ir utilizando assim especialmente porque o gengibre fresco tem um sabor diferente do gengibre em pó.

A mim foi-me aconselhado a tomá-lo, ir andar logo pela manhã, e apenas tomar pequeno almoço cerca de uma hora mais tarde.

21
Dez21

O Solstício de Inverno e o Antigo Egipto

Aposto que este Solstício remete a uma grande parte de nós ao complexo de Stonhenge e outras construções megalíticas, especialmente por essa Europa fora.

Mas sabiam que este evento era (e, de certa forma, ainda é) celebrado no Egipto?

No Templo de Karnak, em Luxor, a celebração do Solstício de Inverno coincide com o nascimento da divindade egípcia mais importante: o Deus Sol, Ra. Foram feitos cálculos astronómicos precisos na construção do templo para a adoração do nascimento do Sol nesta data. O Templo foi construído em alinhamento com o solstício de forma a que o sol iluminasse um santuário dedicado a Ra. Hoje em dia, multidões deslocam-se até Karnak para adorar esta maravilha do mundo.

daqui

20
Dez21

Há males que vêm por bem

nem que seja 10 anos depois

Em Maio de 2012 saí de Portugal e no meu primeiro dia no novo país perdi o meu BI... Isso mesmo! A INFP levantou voo sem cinto de segurança (fui sem emprego, sem conta bancária e sem estar inscrita na segurança social lá do sítio) e perdi a minha documentação à chegada! Golo! Nunca tinha saído da Europa e, por isso, não tinha passaporte ficando apenas dependente da minha carta e condução. Nem sei como consegui emprego nem abrir conta no banco mas nunca me teria lembrado de alterar a minha morada fiscal para lá se não tivesse perdido o BI.

Voltei para Portugal em Setembro de 2017 mas só voltei a alterar a minha morada fiscal para Portugal em Março de 2018, um ou dois meses após ter recomeçado a trabalhar cá.

As Finanças querem que pague IRS referente ao ano de 2017, ano em que não tenho rendimentos em Portugal (e onde apenas vivi os últimos 3 meses) e, de certa forma, ter a confirmação de que tinha morada fiscal regularizada amenizou a minha preocupação.

Moral da história: lembro-me que perder o BI na altura foi motivo de angústia e muita dúvida se devia ter arriscado sair de Portugal, mas hoje provou ser um mal que se mostrou benéfico, quase 10 anos depois.

Ainda assim, algum contabilista ou amigo de contabilista que perceba de fiscalidade que me dê uma ajudinha? 

20
Dez21

"A Naturalidade das Crises"

"O progresso existe, sim, mas em forma espiralada. Se entendêssemos isto em todos os aspectos da nossa existência, tanto individual como colectiva, libertar-nos-íamos de muitas ansiedades e preocupações desnecessárias e perniciosas. Aceitaríamos as crises como oportunidades e como eventos naturais. Não nos esgotaríamos a nadar contra a maré, quando é o seu tempo irresistível, guardando a energia para o tempo devido, o de expansão e crescimento (sem o pretendermos absolutizar, sobretudo num fanatismo produtivo que nos exaure). Não nos perderíamos tanto em discussões, críticas, quezílias e culpabilizações, ajustando-nos aos ritmos muito mais sábios e perfeitos na Natureza".

José Manuel Anacleto

Presidente do Centro Lusitano de Unificação Cultural

Excerto de artigo publicado na revista Biosofia n.º 50, Outono 2021

Pág. 1/3

Mais sobre mim

Junho Jubiloso

A Ler

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D