Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INFP

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

24
Set20

Quem Sou Eu?

Quem sou e o que represento?

Pergunta Original: "Who am I and what do I stand for?"

Podia achar que a resposta à pergunta sobre quem sou seria fácil mas pode ser mesmo a mais difícil.

daqui

Definimo-nos através das nossas profissões, da nossa idade, de onde somos e pelo que temos. Mas somos mais do que isso. Nos últimos anos tenho-me definido pelo que sinto ser. É a forma como me vejo. Sou um sentir humano, mais do que ser humano. Passo muito do meu tempo a desenrolar emoções e sentimentos. O que sinto em relação a mim, em relação a quem me é próximo e menos próximo e em relação ao mundo. Tenho uma identidade mas não a sei descrever. Ou teria falar de mim e da perceção das minhas memórias durante muito tempo.

Há quem defenda que a depressão seja uma perda ou falta de identidade. Em parte acredito que sim pois foi assim que sempre me senti. Não faço parte do grupo dos que acreditam que a depressão poderá ser causada (entre outras coisas) por um desequilíbrio químico do cérebro. Acredito que o contrário aconteça. A depressão causa desequilíbrio ou o desequilíbrio tem causas mais profundas. Mas a depressão aparece sempre por um motivo nem sempre óbvio e esse motivo não tem de ser catastrófico. Basta algum acontecimento colocar em causa a nossa forma de ser e o que defendemos e com o que nos identificamos num momento em que estejamos mais sensíveis, ou algum padrão de acontecimentos que se estendam no tempo que nos afecte a longo prazo.

Sei que a depressão é uma condição bastante complexa e que envolve muito mais variáveis mas também acho que a complicamos demais.

Saber identificar aquilo que represento pode ajudar a responder à pergunta quem sou. Como ser individual não me consigo desligar da ideia de que faço parte de toda uma raça e que estou ligada de alguma forma a todos os seres humanos. Aquilo que defendo é a sobrevivência da comunidade humana e uma vivência pacífica, simples, consciente e sustentável.

O universo é complexo e há um universo em cada um de nós. Todos somos infinitamente complexos.

23
Set20

Há traumas e há traumas

traumas.jpg

Li algures que até há relativamente pouco tempo (provavelmente até à década de 1960) a Síndrome de Stress Pós Traumático era associado e apenas diagnosticado a combatentes ou ex-combatentes e pessoas que tenham vivido ou vivem em zonas de guerra.

Hoje em dia falamos muito em traumas de uma forma leviana. Escondemo-nos atrás deste termo quase para nos desculparmos da forma como somos e agimos em vez de tomarmos as rédeas do nosso ser. Há as memórias que se refugiam no nosso inconsciente e ainda assim nos condicionam e há as memórias que teimam em manter-se vívidas.

22
Set20

Pequenos Prazeres

Canela. Sou daquelas que, depois de comer uma tacinha de arroz doce, mordo os paus de canela. Adoro o cheiro e o gostinho picante.

Alguns factos sobre a canela. Há 2 tipos principais: a cassia e do ceilão. A forma mais fácil de as distinguir é pela grossura das lascas dos paus.

A cassia é mais utilizada na nossa cozinha e principalmente nas sobremesas. Existe a cassia indonésia, chinesa e vietnamita (ou do saigão). A mais comercializada é a chinesa e é também a de sabor mais forte e amargo.

A canela do ceilão é considerada por muitos a verdadeira canela e de mais alta qualidade. É mais difícil de a encontrar nos supermercados e um pouco mais cara que a cassia. Já tive o prazer de cheirar e provar as duas e nota-se realmente a diferença.

Não sei se alguma vez já viram a forma como se fazem os paus de canela, mas este vem quase diretamente do Sri Lanka. Quase que sinto o cheiro ... 

22
Set20

Chevelle - Closure

... memórias com música ...

Chevelle é das minhas bandas preferidas. Quase ninguém os conhece.

Em 2013 vieram à Europa pela primeira e única vez e só tocaram em Londres. A única tour fora dos Estados Unidos. Um grande amigo na altura (e só o reconheço agora) fez-me uma surpresa e ofereceu-me 2 bilhetes para o concerto. E o que é que eu fiz?? Desperdicei-os. Não tinha companhia e não fui capaz de ir sozinha. Hoje iria sem qualquer problema. Há uns dias lembrei-me desta história e fui procurar os bilhetes que ele me enviou por email. Quando dei por mim, já tinha passado uma hora enquanto lia todos os emails que trocámos entre nós entre 2012 e 2015. Chorei imenso ao ler coisas que me tinha esquecido que aconteceram e ri o dobro com os problemas e dia a dia de partilhar casa com desconhecidos. Em 2013 a minha saúde mental piorou imenso e não conseguia falar com ninguém. Pior! Achava que não podia falar com ninguém. E esta amizade que tive a sorte de fazer nestes anos menos bons, serenava a minha agitação interna. Era a única pessoa que se apercebia quando eu não aparecia e "fazia sala" como era costume (apesar de tudo eu era a menina da casa e conseguia juntar as pessoas na sala a conversar), entrava nas minhas conversas de chacha e tinha mesmo prazer em fazer conversa de mulher e criticar tudo e todos  Entre tantas outras coisas. Até conhecer os pais dele me deixou nervosa! E não, não foi uma relação romântica...! No final desta hora a ler emails, apercebi-me que não fui tão boa para ele como ele foi para mim.

 

22
Set20

Feliz Outono

Precisamente neste minuto começa a que é, provavelmente, uma das minhas estações preferidas.

daqui

Este ano o equinócio do Outono tem início hoje às 14h30 e já se sente a mudança de tempo, o ar está mais agradável, mais respirável e as cores quentes ajudam-nos nesta transição.

Como fiz para o verão, o blog já refrescou e está preparado para a nova estação.

Este ano, durante os dias 21 e 29 de Setembro, celebra-se o Mabon. Também conhecido como o Festival da Segunda Colheita, é um dia sagrado no paganismo em especial na religião Wicca, uma período de agradecimento aos deuses pelas colheitas.

Mais sobre mim

Fórum Saúde Mental Portugal

A Ler

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D