Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

INFP

Introvertida. Intuitiva. Sentimental. Perceptiva.

22
Jun20

...

sim... mais um post sobre depressão

A depressão é uma doença e qualquer pessoa pode senti-la se não trabalhar e desenvolver uma boa forma de saber lidar com as emoções.

Creio que a maior parte das depressões sentidas nos dias de hoje são ocasionadas por uma perda (às vezes nunca ganha) de identidade.

Não é só tristeza e não é algo que qualquer pessoa possa e consiga compreender. E por vezes é esta a razão porque não nos abrimos e desabafamos com as pessoas que, sabemos, estarão sempre ao nosso lado e mais nos querem ver felizes. Por vezes os piores comentários (embora de forma não intencional) são tecidos por estas mesmas pessoas que, uma tentativa de bem fazer, desconsideram sentimentos já sombrios e turvam ainda mais os pensamentos de quem sofre num silêncio tumultuoso.

Por esta razão, o acompanhamento psicológico é tão importante. Nem sempre os amigos nem a família podem ajudar. Nem sempre sabem o que dizer quando o fazem nem sempre nos faz sentir melhor.

Há uns três anos estava eu numa das minhas piores crises quando o meu rendimento no trabalho sofreu. Durante uma avaliação com a minha superior contei-lhe que estava a passar por uma fase menos boa e tinha sido diagnosticada há 3 anos com uma depressão. À pergunta dela, respondi que não tomava medicamentos porque não surtiam qualquer efeito no meu caso e tinha simplesmente deixado de os tomar. A resposta dela ainda hoje me atormenta, infelizmente. É algo que a minha memória ainda vai buscar quando a nuvem chega. Disse-me que sabia o que era depressão porque tinha amigos que tomavam medicação e um ex-namorado se tinha suicidado pelo que, se eu não tomava medicação não poderia ser assim tão grave. Não me passou na avaliação e, na próxima vincou ainda mais a sua opinião reiterando que eu não a convencia e que, ademais, era uma influência negativa para toda a equipa. Escusado será dizer que não sequer valia a pena continuar ali e apresentei, pouco depois, a minha carta de demissão. Por muito que conte esta história, este é um capítulo mal encerrado.

As doenças de foro psicológico são cada vez mais comuns mas interessa compreender o porquê. Quebrar as correntes. Abrir-nos e partilhar-mos as nossas vulnerabilidades para que percebamos que nenhum sentimento nos é exclusivo. Todos temos dúvidas sobre o caminhho que estamos a fazer e nem sempre o que sentimos no interior se reflecte no exterior.

Depressão mata e basta um segundo da nossa vida na mais obscura solidão. 

4 comentários

Comentar post